Estilo de vida à francesa

Há séculos que a França tem uma arte de bem comer que integrou naturalmente nesta “arte de viver à francesa” que é tão emblemática além das suas fronteiras. Uma experiência que combina desde o Renascimento, e que foi desde então sabiamente conservada, cultura, gastronomia, louças de mesa e qualidade dos produtos. Mais do que em qualquer outro país, na França a gastronomia representa muito especificamente essa identidade cultural. Na verdade, a gastronomia francesa desempenha um papel social ativo. Os grandes momentos da vida como nascimentos, casamentos, aniversários e sucessos, são festejados à volta da mesa. Na França, as refeições são um momento de convívio privilegiado que têm horas fixas. Todos os dias às 12h30, mais de 54% dos franceses sentam-se à mesa. A título de comparação, apenas 17% dos ingleses almoçam e fazem-no às 13h10!

De fato, desde 2010 que a gastronomia francesa é considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. O queijo tem o seu lugar na gastronomia francesa. “A gastronomia deve respeitar um padrão estabelecido. Começa com um aperitivo e termina com um digestivo, sendo que entre os dois existem pelo menos quatro pratos, isto é, uma entrada, prato de peixe e/ou de carne com legumes, queijo e sobremesa”. A Unesco não se esqueceu que o queijo é muito mais do que um produto uma vez que também representa uma experiência ancestral, tradições perpetuadas, práticas vivas e riqueza regional que no conjunto são fundamentalmente parte integrante de um estilo de vida à francesa.

Não se conduz a vaca

On ne mène pas la vache
À la verdure rase et sèche
À la verdure sans caresses.

L’herbe qui la reçoit
Doit être douce comme un fil de soie
Un fil de soie doux comme un fil de lait.

Mère ignorée,
Pour les enfants, ce n’est pas le déjeuner
Mais le lait sur l’herbe.

L’herbe devant la vache,
L’herbe devant le lait.

Paul Éluard, Les hommes et leurs animaux

Não se conduz a vaca
Ao campo raso e seco,
Ao campo sem carícias.

O pasto que a recebe
Deve ser suave como um fio de seda,
Um fio de seda doce como um fio de leite.

Mãe ignorada,
Para as crias, ele não é o almoço,
Mas o leite sobre a grama.

A grama face à vaca,
A cria face ao leite.

Paul Éluard, Os animais e seus homens

Le repas gastronomique des Français

© Roger-Viollet, 1920