&

Maroilles

& Maroilles e Graves Rouge (ano de colheita de 2010, se possível)

O queijo: Maroilles…

O Maroilles tem uma cor alaranjada, lisa e brilhante e contém uma massa com uma textura cremosa com aromas fortes. Tem um cheiro característico, muito amoniacal e um sabor da Córsega que é penetrante, seco, de feno e estábulo e uma sensação tátil picante que fazem com que este queijo não passe despercebido. No paladar, a massa é muito cremosa e cobre todas as mucosas por ser tão dominante.

 

A bebida: Graves Rouge 2010…

Este vinho, que tem uma bela cor de romã com reflexos púrpura, tem um aspecto deslumbrante que leva a pensar numa forte generosidade de caráter. O primeiro nariz revela um cheiro a madeira, especiarias, alcaçuz e caramelo queimado sendo que este bouquet termina num campo de frutos negros maduros. Na boca, tem uma vivacidade tânica ligeiramente picante, persistente e suave que revela fortes aromas de especiarias e de madeira.

 

A combinação de texturas e sabores

De forma geral, poucos vinhos ousam enfrentar este queijo tempestuoso em termos de sabores e aromas. Pode-se escolher uma cerveja do Norte, em última instância, um champanhe destacando-se o Pinot Noir e o Meunier, muito forte e dosado de forma conveniente. Estes vinhos têm características que combinam com a vivacidade do queijo. O Graves Rouge é excepcional e é por isso que é escolhido para acompanhar o queijo. Revela o oposto das ideias preconcebidas tendo em conta que o Maroilles pode fazer algumas exceções. A prova é que este Graves desmente o postulado porque tem todo o caráter para combinar com este queijo. Os taninos arrogantes mas muito aromáticos e uma resistência do conjunto (textura da matéria, equilíbrio entre acidez e álcool, redondeza dos sabores, etc.) combinam com o caráter do Maroilles.